Tecnologia de EPIs avança no Brasil no combate à pandemia

Por Gabriel Nunes

Os equipamentos de proteção individual (EPIs) usados pelos mais diversos profissionais não serão os mesmos após a atual pandemia, principalmente na área da saúde. Desde o início da doença no Brasil, em fevereiro de 2020, a tecnologia voltada para estes produtos avançou muito em um curto espaço de tempo, mostrando como a adaptação ao cenário imposto pela Covid-19 despertou uma resposta rápida e fundamental por parte da indústria nacional.

Segundo pesquisa da Associação Paulista de Medicina (APM), de abril de 2020, 50% dos médicos que atuam no combate do Covid-19 sentiam falta de EPIs adequados, sendo que 38,5% relataram escassez de máscaras PFF2 e N95, modelos que possuem tecnologia avançada e aprovadas para uso profissional por conta de testes de retenção de partículas – ensaios de eficiência de filtragem, ventilação e repelência de fluídos. Estes modelos também possuem alguns itens especiais que garantem laudos de atividade antiviral.

A pandemia forçou o avanço da tecnologia de EPIs no Brasil por conta do aumento na demanda por equipamentos, muitos deles então desconhecidos pelo mercado e que precisaram chegar de forma ágil aos centros de atenção à saúde para atender toda a sociedade. A mobilização de cientistas, as iniciativas do governo brasileiro com editais especiais e a união entre diversas empresas também foram fatores de grande importância para este avanço e, atualmente, já encontramos boa variedade de produtos de alta tecnologia disponíveis e em larga escala de produção.

O Brasil também atende bem à demanda mundial, uma vez que grande parte das tecnologias existentes para combate ao novo coronavírus são oriundas daqui. No entanto, há duas questões que impedem um avanço ainda maior da tecnologia aplicada a EPIs no país. Não é de hoje que somos um grande importador destes equipamentos, mas, por diversos fatores, no passado não éramos competitivos nesse mercado. Por outro lado, a concorrência durante a pandemia fez com que a indústria de EPIs sentisse a necessidade de se reinventar, fazendo com que o mercado externo começasse a buscar ainda mais os artigos produzidos por aqui, como acontece com a Alltec, uma das poucas fabricantes de PFF2 no Brasil.

Além da crise de saúde pública que enfrentamos hoje, também vivemos uma crise econômica. Com a baixa produtividade de alguns setores devido ao alto índice de contaminação, diversas indústrias estão sofrendo para suprir as necessidades de mercado, sejam elas na produção de alimentos, roupas ou peças automotivas. Nenhum setor passou ou se manterá ileso aos efeitos da pandemia.

Por isso, é essencial que se olhe com mais atenção para os estudos científicos dentro do país que auxiliem no aprimoramento dos materiais fundamentais no combate à pandemia usados por médicos, enfermeiros e profissionais. Isso também é importante para outras categorias de profissionais e que atuem em ambientes fechados como, por exemplo, comissários de bordo de aviões, trens e ônibus, também expostos diariamente ao vírus do Covid-19.

O sistema de aviação já está exigindo que passageiros utilizem equipamentos de proteção PFF2 ou N95. Concordo com a demanda e estendo a pergunta a outros setores de transporte: não seria este tipo de exigência uma opção para combater o contágio descontrolado dentro de grandes aglomerações como ônibus e trens? Essa alternativa demandaria baixo investimento, sendo complementar aos lockdowns e à construção de novos leitos de UTI.

Desta forma, fica claro o quanto a tecnologia, principalmente a nanotecnologia, avançou durante a pandemia de Covid-19. Entretanto, ainda há muito para se explorar, pois o que não falta é potencial de produção e tecnologia disponível no Brasil.

É de extrema importância a atenção diária para evitarmos o descontrole da situação, ou seja, o contágio exponencial. Se continuarmos a focar no tratamento pós-contágio, muitas outras vidas ainda serão perdidas, antes mesmo de atingirmos algum nível de segurança para o retorno sensato e responsável das atividades.


*Gabriel Nunes é engenheiro de materiais, com passagem por Stanford e capacitação no instituto IXL, além de diretor geral da TNS Nano.