As vacinas correm perigo! E o Brasil está preocupado?

A logística de entrega das vacinas contra a Covid-19 é uma preocupação mundial. Pode-se imaginar que há um enorme esquema de logística, um planejamento especifico elaborado com mínimos detalhes, mas se há, por que a preocupação em manter a integridade molecular das vacinas para imunizar 209,5 milhões brasileiros não está em debate?

Estamos cada vez mais próximos de finalmente andar livremente e imunes pelas ruas, mas ainda há uma questão que pode fazer da realidade da imunização nada mais do que um sonho distante: a logística. Para que isso aconteça dependemos de alguns fatores muito importantes, um deles obviamente é a descoberta definitiva da vacina, após isso, estaremos rendidos unicamente a integridade e a chegada dos produtos ao seu destino.

Em um país com mais de 1 milhão e 700 mil estradas e rodovias, sendo cerca de 211 mil pavimentadas, a logística certamente deveria estar no planejamento central do Governo. Quando uma única trepidação pode quebrar as ligações moleculares das vacinas, altas ou baixas temperaturas ou a luminosidade invasiva pode depreciar a esperança de toda uma nação, espera-se um debate mais claro e aberto quanto as soluções viáveis.

Muito recursos como IoT, softwares, plataformas, aplicativos, inteligência artificial e outros diversos serviços prestados podem assegurar a qualidade do transporte e armazenamento desses produtos biológicos por meio de monitoramento.

Com a IoT é possível aplicar um dispositivo para que ele monitore a carga em todos os aspectos necessários, temperatura, trepidação, luminosidade e mais. Ou seja, é possível assegurar com 100% de certeza que não serão aplicadas vacinas que foram expostas a riscos. Se o termômetro quebra, se o balanço do caminhão é desproporcional ao definido, ou mesmo a carga for exposta a uma luminosidade incompatível, é possível avisar os responsáveis que talvez aquela vacina perca seu efeito e, assim, medidas serão tomadas.

Outra enorme preocupação é o valor da carga. O Brasil é um dos países onde mais se rouba carga no mundo. Um exemplo bastante recente foi dos respiradores roubados antes de alcançarem seu destino, durante o pico da pandemia. Com um serviço de proteção a carga, o motorista é orientado sobre rotas seguras contra roubo e também rotas com caminhos tortuosos que podem danificar o produto. Isso é tecnologia e inovação a favor da saúde, contra uma pandemia que assolou o mundo e trouxe prejuízos para todos os setores.

O mundo tem que acompanhar a IoT, que hoje trabalha em função de diversos segmentos, trazendo qualidade para os serviços, e solução e prevenção para os problemas. Uma vacina sem eficácia pode acabar com uma vida, ou mesmo prejudicar o processo de imunização por rebanho, visto que ainda não são aptas aos grupos de risco.


*Daniel Schnaider é CEO da Pointer by Powerfleet Brasil, empresa de soluções de IoT para redução de custo, prevenção de acidentes e roubos em frotas.