Unimed cria Central de Leitos para gerenciar ocupação durante a pandemia

O Sistema Unimed conta atualmente com 127 hospitais em sua rede própria, com 10.644 leitos – sendo 2.168 leitos de UTIs. Para ajudar a gerenciá-los de maneira ágil e eficiente durante a pandemia do novo coronavírus, a Unimed do Brasil criou, em parceria com a Unimed Santa Catarina, a Central de Leitos.

Essa Central, que já se encontra em funcionamento, está localizada em Joinville (SC) e está estruturada para ajudar, durante a pandemia, as cooperativas na busca por vagas de internação nos hospitais próprios do Sistema Unimed, fazendo a interface das necessidades e disponibilidades para a transferência de pacientes 24 horas por dia, 7 dias por semana.

A dinâmica é a seguinte: as cooperativas que necessitarem transferir pacientes para outras localidades acionam a Central de Leitos pelo telefone 0800 649 7129. Em seguida, os funcionários da Central consultam a base de dados de Serviços Próprios da Unimed do Brasil e entram em contato com os hospitais próprios do Sistema mais próximos do paciente. Caso o leito seja encontrado, ocorre a notificação ao solicitante, que é responsável por todo o processo de transferência – comunicar-se com a outra instituição, repassar o quadro clínico do paciente e providenciar sua remoção. Caso não seja encontrada nenhuma vaga após cinco tentativas, a Central retorna com a negativa.

“O Sistema Unimed tem a preocupação com o cuidado adequado com as pessoas, sobretudo neste momento de pandemia. E só podemos fazer isso se nossas cooperativas puderem trabalhar de maneira integrada. É neste sentido que foi estruturada a Central de Leitos Unimed, que oferece uma gestão ágil e eficiente dos leitos próprios de nosso Sistema para garantir que nossos beneficiários possam ter um melhor acesso à estrutura apropriada para seu tratamento e recuperação”, afirma Orlando Fittipaldi Júnior, diretor de Gestão de Saúde da Unimed do Brasil.

Gestão de Hospitais Próprios Unimed: novos fluxos e leitos

Ainda, estabelecimentos da rede própria têm reestruturado seus fluxos de atendimento, remanejando as UTIs de modo a separar pacientes da Covid-19 dos demais, além de erguer hospitais de campanha e centros de triagens fora das unidades clínicas principais, de modo a evitar que pessoas ingressem nas alas com risco de infeção desnecessariamente.

Alguns exemplos disso:

Em 29 de março, foi inaugurado um hospital de campanha pela Unimed Fortaleza (CE), construído em uma semana. Está localizado no estacionamento do Hospital Unimed e conta com 720 metros quadrados, com 44 leitos de internação ou medicação, além de uma área de triagem para atender pacientes com suspeita do novo coronavírus. Todo o esforço e dedicação são para oferecer um suporte mais rápido aos pacientes que precisarem de assistência médica nesse momento. Para dar conta da demanda, a cooperativa já contratou 120 novos profissionais.

O novo hospital Unimed Sul Capixaba (ES), inaugurado em 30 de março, está localizado em Cachoeiro de Itapemirim (ES) e conta com uma área construída de 12.555 metros quadrados. Possui 130 leitos, sendo 20 em UTI, e é qualificado para a realização de hemodinâmica, cirurgia cardíaca, neurocirurgia e transplantes.

A Unimed Botucatu (SP) iniciou as atividades, em 7 de março, de seu segundo hospital, instalado em uma área de 11 mil metros quadrados com 80 leitos de internação, dentre os quais, no momento, 19 vagas foram destinadas para uso exclusivo de pacientes com Covid-19. Esse número poderá ser aumentado, de acordo com a evolução da pandemia. Em sua estrutura há cinco salas cirúrgicas, incluindo uma sala hibrida, e o mais completo Centro de Diagnóstico por Imagem do interior do Estado de São Paulo. Na unidade funcionará, ainda, o Pronto Atendimento Adulto, 24 horas, com retaguarda para casos mais complexos.

A Unimed-BH se estruturou antecipadamente para um possível aumento de demandas por leitos, tanto de UTI, quanto de internação. Com a reestruturação, a cooperativa conta com 220 novos leitos, sendo que metade deles já está em uso. Ao todo, são 160 vagas de internação distribuídas entre o Centro de Promoção à Saúde Pedro I, que passa a funcionar como unidade hospitalar, e o Hospital Betim Centro. Também serão criados 50 novos leitos de UTI para adultos e 10 novos leitos infantis. Para atender às unidades, a cooperativa contratou mais de 350 profissionais.