Pós-pandemia: teste avalia clima e saúde mental dos colaboradores

Um estudo realizado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e publicado pela revista The Lancet, diz que os casos de depressão aumentaram 90% e o número de pessoas que relataram sintomas como crise de ansiedade e estresse agudo mais que dobrou entre os meses de março e abril deste ano. A crise derivada da pandemia da Covid-19 trouxe muitas mudanças.

“O trabalho remoto, as diferentes abordagens de comércios para manter as atividades, a transformação digital, o estresse pela doença e número de morto. Foi tudo novo para nós e redefiniu o modo como trabalhamos”, avalia a psicóloga, Nayara Teixeira, gerente técnica da MAPA.

A profissional, que é especializada em psicologia do trabalho, alerta para o aumento de casos de doenças relacionadas à saúde mental nas empresas e a necessidade de adotar soluções técnicas para cada caso. “Vemos muitos casos de Burnout, crises de ansiedade e depressão que precisam ser mapeadas e tratadas. Nesse contexto, é necessário ter em mente como pensam e como estão seus colaboradores”, conta.

“O MAPA é um teste psicológico, desenvolvido para ser um competente instrumento de gestão de pessoas e poderoso aliado da gestão para solução de problemas como esses”, ressalta.

A especialista explica que sem uma equipe qualificada é muito difícil verificar, validar e gerir os efeitos da crise nesses dez meses de pandemia. Pensando em facilitar o acesso, o teste foi estruturado como uma bateria fatorial de avaliação da personalidade, por meio de uma Escala de Autorrelato, que funciona precisamente no caso em que for aplicado.

“Já aplicamos mais de 360 mil testes para mais de 400 empresas de todos os portes no Brasil. Como foi produzido no Brasil, tendo uma amostragem 100% brasileira, trata-se de uma facilidade, afinal, está adaptado para nossa realidade cultural”, conta Nayara, que ainda relata que “o sistema de gestão online, permite aos coordenadores o controle e manutenção rápido doa dados, conseguindo assim avaliar as dificuldades das equipes e até alocar colaboradores para áreas de melhor aptidão”.

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), em estudos embasados na Rais (Relação Anual de Informações Sociais) e Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), as principais causas de afastamento do trabalho no Brasil são:

– Depressão (59% das pessoas se encontram em estado máximo de depressão);
– Transtorno de Ansiedade (63% das pessoas possuem algum problema de ansiedade);
– Estresse (37% das pessoas estão estressadas com nível extremamente severo);
– Burnout (44% dizem ter sofrido com o esgotamento mental).