Saúde mental é principal prioridade das empresas em 2021

As incertezas a respeito do fim da pandemia, a pressão de navegar em uma economia em recuperação, os desafios do trabalho remoto forçado, além das oportunidades reduzidas de descanso e férias, foram fatores que resultaram em níveis significativos de estresse nos profissionais brasileiros, assegurando que aspectos como saúde mental e bem-estar estejam no topo das prioridades das empresas em 2021: para 28% dos recrutadores entrevistados pela Robert Half na 15ª edição do ICRH, a saúde mental é a maior preocupação de 2021 quando o assunto é gestão de pessoas.

De acordo com o 15º ICRH, 52% dos profissionais consideram que a sensação de equilíbrio entre qualidade de vida e trabalho piorou ou se manteve igual desde o início da pandemia. Os principais motivos apontados pelos colaboradores são: piora da saúde mental (32%), falta de contato próximo com a equipe e gestores (16%) e espaço físico inadequado para o trabalho (10%).

Por conta do prolongamento da pandemia e necessidade de distanciamento social, muitos profissionais e empresas optaram pelo adiamento das férias no último ano, o que resultou em cargas pesadas de trabalho que não foram alternadas com o descanso necessário. As companhias, portanto, também devem balancear possíveis planos de férias atrasados com as ambiciosas agendas de recuperação dos negócios. Uma boa alternativa dentro deste contexto é o recrutamento de profissionais para projetos a fim de preencher as lacunas temporárias deixadas por colaboradores permanentes que estejam de licença. Desta forma, a força de trabalho não se sente sobrecarregada com a necessidade de absorção de demandas.

Burnout deve crescer 

Por um lado, a continuidade da pandemia por si só já afeta a sanidade mental dos profissionais, que são impactados diariamente pelo medo, ansiedade e insegurança. Por outro, à medida que a atividade econômica se recupera, as empresas aceleram suas atividades, o que cria cargas de trabalho cada vez maiores para muitos profissionais. No entanto, trabalhar incansavelmente não é saudável e nem sustentável, além de poder resultar em um burnout.

Em uma sondagem realizada pelo perfil oficial da Robert Half no Linkedin, que contou com a participação de mais de 1.100 respondentes, 40% afirmam que se sentem cansados/estressados depois de mais de 12 meses de trabalho remoto.