Investimento de R$ 350 milhões: Orizonti Instituto Oncomed entra em atividade

Com robusta infraestrutura hospitalar, o Orizonti Instituto Oncomed de Saúde e Longevidade, que começa a funcionar no próximo dia 18 de outubro, traz para Belo Horizonte (MG) um novo modelo de cuidado à saúde da população. Com capacidade anual de 27 mil internações, 35 mil cirurgias, 22 mil atendimentos no PA e 185 mil exames, o centro de saúde recebeu investimentos de R$ 350 milhões e foi planejado dentro dos pilares de desenvolvimento sustentável, com arquitetura que resulta num menor consumo de energia e uso mais racional dos recursos naturais.

Nesta primeira fase da inauguração, 152 leitos, sendo 20 de UTI, ambulatórios, quimioterapia, radioterapia, bloco cirúrgico, sala de hemodinâmica, sala de robótica, unidade diagnóstica, estão disponíveis para atender pacientes eletivos. Um total de 57 especialidades e linhas de cuidados especiais para doenças crônicas com acompanhamento constante e individualizado completam o modelo de assistência disponível para pacientes particulares e de convênios médicos.

Seus idealizadores, os oncologistas mineiros Amândio Soares e Roberto Porto Fonseca – proprietários da Oncomed, que é, há 26 anos, referência no tratamento oncológico no Estado, se inspiraram em conceitos internacionais inéditos de prevenção, acolhimento e tratamento integral de saúde. “É uma inovação que vai muito além do tratamento de doenças para promover a saúde de uma maneira mais abrangente, integral e completa”, explicou Amândio Soares. “Mais do que tratar doenças, queremos promover cuidado com a saúde. Com base em inúmeros estudos médicos e pesquisas científicas que fizemos, acreditamos que esse é o melhor caminho para a longevidade”, completou Roberto Porto Fonseca.

A logística hospitalar também é um diferencial do instituto, que apresenta uma estrutura bem planejada. A forma de construção e disposição dos espaços foi desenvolvida para o paciente circular o menos possível dentro do hospital. A jornada de cuidado coloca o paciente no centro da atenção do médico, da operadora de saúde, dos fornecedores e colaboradores do Instituto. Segundo o oncologista Amândio Soares, o atual modelo de assistência fragmenta a trajetória do paciente gerando desfechos clínicos demorados, ineficientes e com maior custo. “Em nossas pesquisas, detectamos que uma paciente com suspeita de câncer de mama demora cerca de 84 dias para iniciar um tratamento oncológico, por exemplo, por causa das quebras entre os processos.

 

Os oncologistas Amândio Soares e Roberto Porto Fonseca – proprietários da Oncomed

Outra inovação é na forma de acolhimento ao paciente. Trazendo o knowhow do atendimento humanizado da Oncomed, o Orizonti terá profissionais especializados como Concierge (dedicado à área assistencial, para apoiar agendamentos de exames e consultas), navegador (apoiará o paciente durante seu plano de cuidado integral e multidisciplinar), mensageiro (responsável pelos deslocamentos e percurso dentro do hospital), capitão porteiro (exclusivos para acompanhar pessoas com pouca mobilidade).

A arquitetura hospitalar foi planejada e utilizada para oferecer conforto e segurança aos pacientes. A tecnologia foi trazida para fazer a diferença na assistência à saúde, seja ancorada em aparelhos para uma medicina intervencionista minimamente invasiva ou em equipamentos modernos e mais precisos. O modelo assistencial garante agilidade no início do tratamento e acompanhamento multidisciplinar e integral.