Investimento em genética expande mercado de Reprodução Assistida

Os testes genéticos revolucionaram a Medicina Reprodutiva nos últimos 10 anos com o aumento de efetividade e a possibilidade de prevenção de doenças hereditárias. O fundo global de investimentos EQT apostou nessa mudança de paradigmas e colhe os frutos dos recursos aplicados na Igenomix, empresa de biotecnologia.

A medicina reprodutiva movimenta cerca de US$ 21 bilhões no mundo. No Brasil o mercado está estimado em 1,3 bilhão. Nesse segmento, o uso dos testes genéticos disparou vertiginosamente no país, passando de ser utilizado em 15% das Fertilizações in Vitro (FIV) em 2013 para representar hoje mais de 50%. A tendência é continuar crescendo, considerando que nos Estados Unidos o uso de testes genéticos na FIV alcança quase a totalidade dos tratamentos realizados.

A geneticista Marcia Riboldi, CEO da Igenomix Brasil & Argentina: muito mais pode ser feito.

Com laboratórios em 25 países, a Igenomix ajuda a cada ano mais de 90 mil casais a realizarem o sonho de terem um bebê saudável em casa. Segundo a geneticista Marcia Riboldi, CEO da Igenomix Brasil & Argentina, muito mais pode ser feito “Existe uma carência enorme no diagnóstico genético de precisão e profissionais capacitados para interpretar esses diagnósticos. Nós queremos acolher essas pessoas que tardam em média 7 anos para identificarem doenças genéticas e ficam sem tratamento apropriado por falta de uma informação precisa, além disso, queremos que todos saibam que a passagem das doenças genéticas hereditárias muitas vezes pode ser evitada”, explica a geneticista.

O correto diagnóstico de uma doença genética pode prevenir que as próximas gerações da família sejam afetadas. Segundo publicação na revista científica Genetics in Medicine, do grupo Nature o custo de tratar uma doença genética é superior ao custo de prevenção. Pesquisa realizada nos Estados Unidos revelou que o custo médio de prevenir uma doença genética é de aproximadamente 14 mil dólares, enquanto os gastos com tratamentos situam-se em 50 mil dólares por ano de vida dos afetados.

As atividades da Igenomix no Brasil iniciaram em 2014 e desde então todos os anos a capacidade do laboratório foi ampliada para atender a demanda crescente das clínicas e pacientes. Mundialmente o grupo abriu 16 das 25 filiais existentes nos últimos 2 anos. “Em 2021, a capacidade de realizar testes da unidade em São Paulo será ampliada em
50%, sendo que atualmente já somos o único laboratório da América Latina com rotina 100% automatizada e uso de inteligência artificial na realização do Teste genético para aneuploidias embrionárias (PGT-A)”, afirma Marcia.

Igenomix atraiu um dos principais fundos de capital do mundo (EQT) ao mostrar não apenas o potencial econômico que a genética representa para a nova era da medicina, mas também o que eles proporcionam. Através de suas pesquisas científicas, novos descobrimentos sobre a fertilidade humana são publicados com frequência por pesquisadores do grupo e soluções para superar os obstáculos da infertilidade e prevenir a passagem de doenças hereditárias antes da gravidez são possíveis.