Distrito Federal inclui as Imunodeficiências Primárias em triagem neonatal

O Distrito Federal é o primeiro a incluir as imunodeficiências primárias (IDPs) na triagem neonatal, também conhecido como Teste do Pezinho Ampliado. A iniciativa pode fazer com que os demais estados do Brasil também incluam esta pesquisa na triagem neonatal.

“Estamos na torcida para que isso aconteça, pois vai beneficiar muitas pessoas e proporcionar o diagnóstico precoce e o tratamento adequado desde criança, evitando muitas complicações no futuro”, explica o Prof. Dr. Antonio Condino-Neto, membro do Deptº. Científico de Políticas Públicas da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI) e presidente do Deptº. de Imunologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

As imunodeficiências primárias são deficiências em algum setor do sistema imunológico de origem genética. As anormalidades incluem infecções de repetição, doenças autoimunes, doenças alérgicas e o câncer.

São mais de 360 doenças diferentes e, por isso, a prevalência varia muito. As mais comuns são aquelas em que há defeitos na produção de anticorpos. Atualmente, cerca de 70% a 90% dos pacientes ainda não estão diagnosticados.

Tratamento

A triagem neonatal permitirá instituir o tratamento precocemente, necessário para reduzir a elevada morbimortalidade deste grupo de doenças. O acesso à reposição de imunoglobulina por via venosa ou subcutânea regularmente é fundamental. “O tratamento das IDPs envolve diferentes recursos terapêuticos, dentre os quais a reposição de imunoglobulina humana e outros imunobiológicos, o uso de antibióticos preventivos e o transplante de células hematopoiéticas (medula óssea ou cordão umbilical) ”, explica Dr. Condino.