Instituto de Cirurgia Ocular adquire microscópio 3D de alta precisão

O ICONE (Instituto de Cirurgia Ocular do Nordeste) anunciou a aquisição do primeiro ARTEVO 800 no Brasil, único microscópio digital tridimensional (3D) com tomografia em tempo real durante as cirurgias oculares. O hospital é comandado pelo oftalmologista Álvaro Dantas, um dos pioneiros na cirurgia de catarata por pequena incisão com implantes multifocais, com quase 30 anos de carreira.

“Sabemos o quanto a oftalmologia evoluiu nas últimas décadas, tornando o tratamento de doenças frequentes, como catarata, glaucoma e retina, muito mais seguro e eficiente. Além da habilidade do cirurgião, toda essa evolução não seria possível atingir sem o desenvolvimento de tantos aparelhos digitais sofisticados. Nesse momento, considerado disruptivo na cirurgia ocular, o polo médico de Pernambuco sai na frente do resto do Brasil e de vários países sul-americanos com aquisição do ARTEVO 800”, comenta o oftalmologista do Instituto de Cirurgia Ocular do Nordeste, Álvaro Dantas.

Indicado principalmente para cirurgias de altíssima precisão como catarata, retina, córnea e glaucoma, o equipamento possibilita o reconhecimento de estruturas dos olhos de forma rápida, clara e em tempo real. Seu sistema de vídeo com duas câmeras 4K de 3-Chips possibilita uma visão tridimensional com ampla profundidade através de um monitor 3D de 55″ e 4K de resolução, proporcionando ao cirurgião maior liberdade de movimento e melhor domínio cirúrgico. Essa tecnologia também reduz a intensidade de luz direcional, evitando o ressecamento ocular e a fotofobia, conferindo mais conforto e segurança ao paciente.

“A parceria com o Instituto de Cirurgia Ocular do Nordeste, que vem se destacando cada vez mais como um dos polos para diagnóstico e tratamento de doenças oculares do Brasil, é mais um passo na constante busca pela excelência de atendimento e resultados cada vez mais assertivos. A chegada do ARTEVO 800 significa um grande avanço tecnológico, garantindo mais precisão e tranquilidade tanto para o cirurgião quanto para o paciente”, conclui Guilherme Haddad, diretor da divisão médica da ZEISS Brasil.