Dispositivo detecta ISTs com apenas duas gotas de sangue

O Brasil teve alta de 21% no número de novas infecções por HIV em oito anos. Os dados são da Unaids, programa conjunto das Nações Unidas sobre HIV/aids, divulgados no relatório anual. No continente, o desempenho do Brasil no combate ao HIV só não foi pior que os do Chile e Bolívia. Especialistas indicam que o isso se deve, entre outros motivos, à demora em se adaptar à tecnologia dos testes rápidos.

“Ainda existe muito estigma e preconceito com relação ao HIV, sendo essas as principais barreiras que dificultam a redução das novas infecções. É preciso entender que todos nós estamos sujeitos a contrair o vírus e, por isso, todos devem realizar o exame periodicamente. Precisamos falar mais sobre o assunto com nossa família e amigos.”, explica Bernardo Almeida, médico infectologista e Chief Medical Officer da Hi Technologies, startup que tem como missão democratizar o acesso à saúde no País.

A Hi Technologies criou o Hilab, laboratório portátil que pode ser encontrado em farmácias pelo Brasil, que realiza exames de sangue por meio de poucas gotas de sangue. Em até 15 minutos, o paciente poderá descobrir se possui ou não o vírus. O exame funciona assim: com o sangue na cápsula do Hilab, o dispositivo cria uma assinatura digital do sangue e envia, através da internet até o laboratório da empresa, onde biomédicos de platão analisam a amostra e enviam os resultados para o paciente via SMS ou e-mail.

“O diagnóstico rápido é fundamental no caso do HIV para acelerar o tratamento e reduzir a transmissão do vírus, por isso queremos que a população tenha fácil acesso a esses exames”, conclui Almeida.