GetConnect incorpora IA em plataforma de telemedicina

A GetConnect, divisão de Telemedicina da OxySystem, está incorporando inteligência artificial à sua plataforma de gestão em telemedicina, a Medkortex. Dois novos módulos, que atuam de maneira integrada, aumentam a exatidão dos diagnósticos e suportam os médicos no processo de decisão clínica. O MIDAS auxilia na consulta médica; já o DIAGNODDS oferece apoio na interpretação dos exames de sangue, aumentando, em alguns casos, em até 90% a assertividade do diagnóstico.

Para Marcelo Fanganiello, diretor da empresa, a inteligência artificial pode mudar a concepção da humanização da medicina, deixando mais tempo disponível para a relação interpessoal, mesmo que de forma, muitas vezes, remota. “Disponibilizamos dentro da plataforma ferramentas capazes de apoiar de maneira bastante ampla o médico em seu dia a dia “, explica.

Pesquisa realizada pela MIT Technology Review Insights mostrou que a inteligência artificial tem tornado a saúde cada vez mais humana. O levantamento realizado com mais de 900 profissionais reafirma o fato que a tecnologia representa uma extensão — e não extinção — de sua capacidade profissional. Além de tornar a rotina do médico mais eficiente, também cria oportunidade de ter um trabalho mais próximo e assertivo junto aos pacientes. 93% dos entrevistados afirmam que a IA melhorou tanto a velocidade como a precisão de análise dos dados dos pacientes.

Para Julio Cesar Gali Filho, médico responsável pelo desenvolvimento dos módulos, outro fator fundamental é a possibilidade de diminuir a incidência de erros médicos. “Percebi ao longo de minha carreira que os índices de erros médicos eram elevados e ocorriam muitas vezes pela própria carência de ferramentas capazes de nos ajudar a fazer um diagnóstico clínico de maneira mais precisa. Também sempre enxerguei que era preciso resgatar a perspectiva humana do médico e seu atendimento clínico, incentivando-o a prestar mais atenção aos pacientes e seus sinais físicos.”

Estudos clínicos estão sendo realizados com a ferramenta para comprovar a sua efetividade. 160 doenças plausíveis de serem identificadas em hemogramas estão sendo analisadas e validadas e, a solução, mesmo que em testes iniciais, acertou 90% dos diagnósticos. Para se ter uma base de comparação, um sistema suíço similar é capaz de analisar 10 doenças e sua margem de acerto foi de 60%. A assertividade entre hematologistas é de 60%, e entre clínicos gerais, 25%. Quando integradas por meio de inteligência analítica, as ferramentas aumentam ainda mais a exatidão do diagnóstico.