CREMESP orienta médicos para atendimento em voos comerciais

Durante uma viagem de avião não é raro a pergunta “há algum médico habilitado a bordo?”. Embora sem números oficiais, uma vez que não existem normas internacionais para quantificá-las, as emergências relacionadas à saúde de passageiros são comuns. Com o aumento do trânsito em aeronaves comerciais no próximo mês, o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) lança algumas recomendações aos mais de 144 mil médicos paulistas, diante dessas situações.

“O médico é a pessoa mais qualificada para este tipo de situação. Se estiver se sentindo confortável para tal, pode prestar socorro. O suporte à vida é a principal missão do médico. Além disso, a simples presença desse profissional e seu amparo preliminar já transmitem segurança a quem necessita do atendimento”, comenta a doutora Maria Camila Lunardi, conselheira do Cremesp.

O Cremesp indica também aos profissionais paulistas a leitura da Cartilha de Medicina Aeroespacial lançada pelo CFM, em 2018, com dicas básicas de procedimento em caso de emergências.

O novo Código de Ética Médica, em vigor a partir de maio de 2019, mantém o princípio fundamental VII que afirma: “o médico exercerá sua profissão com autonomia, não sendo obrigado a prestar serviços que contrariem os ditames de sua consciência ou a quem não deseje, excetuadas as situações de ausência de outro médico, em caso de urgência ou emergência, ou quando sua recusa possa trazer danos à saúde do paciente.”