Hospital Maternidade de Campinas elege nova diretoria

Marcos Miele é o novo presidente

O Hospital Maternidade de Campinas tem nova diretoria eleita para administrar a instituição para o triênio 2021/2023. A presidência foi assumida pelo médico ginecologista e obstetra, Marcos Miele da Ponte, responsável pelo Programa Parto Adequado (ANS/MS/IHI/Hospital Albert Einstein) na Maternidade de Campinas desde 2017. Também compõem a nova diretoria Rogério Manuel Duarte Nogueira (primeiro vice-presidente), Marcos Gerenaldo Martins (segundo vice-presidente), Fernando Martines Sanchez (primeiro tesoureiro), Marcos Bachur (segundo tesoureiro), Ana Carolina Lazarini Romanholi (primeira secretária) e Gustavo Atra Giovannetti (segundo secretário).

A diretoria do Hospital Maternidade de Campinas trabalha de forma voluntária, considerando que nenhum deles recebe qualquer tipo de remuneração para exercer as atividades diretivas da instituição. Carlos Eduardo Ferraz segue colaborando voluntariamente com a administração da Maternidade na qualidade de conselheiro fiscal. Devido a pandemia de Covid-19, não houve transmissão solene dos cargos.

A nova diretoria deverá dar continuidade ao trabalho de modernização da instituição, iniciado por Ferraz, que ocupou a presidência do hospital por duas gestões consecutivas. Entre os projetos executados nos dois períodos em que ocupou a presidência do Hospital, o ex-presidente destaca a inovação do modelo assistencial com a implantação do PPA – Programa Parto Adequado -, a elaboração de planejamento estratégico como referência para o aprimoramento da gestão hospitalar e o reposicionamento de marca com a criação da nova identidade visual (logomarca).

“A Maternidade de Campinas funciona há 107 anos. Era preciso reposicionar o Hospital como negócio para a sua sustentabilidade financeira. Uma das medidas foi a incorporação de novas especialidades (endometriose e endoscopia ginecológica, oncologia abdominal, cirurgia bariátrica e metabólica e urologia e patologias masculinas) e a criação dos Núcleos de Cirurgias Avançadas”, diz. A antiga estrutura também precisava ser modernizada até para receber equipamentos de alta tecnologia. Assim, foram iniciadas as obras do Retrofit (termo utilizado em engenharia para designar o processo de modernização de equipamentos considerados ultrapassados ou fora de normas) e entregues a nova recepção e a reforma total do quarto andar, implantado o Centro de Parto Normal, ampliado o prédio anexo para receber área da UTI – Unidade de Tratamento Intensivo – e o centro cirúrgico, instalada a área de ambiência e construído o novo Centro Administrativo. O hospital também adquiriu um imóvel na rua José Paulino.

Para envolver ainda mais o hospital com os setores de ensino para a formação de profissionais comprometidos com a comunidade de Campinas, foram assinados convênios com Faculdades de Medicina e de Enfermagem em Obstetrícia (incluindo pós-graduação e cursos técnicos), com o Programa Mais Médicos campineiro e ampliadas as residências médicas multidisciplinar. Com isso, a Maternidade mantém um dos pilares do SUS – Sistema Único de Saúde -, fortalecendo o eixo de ensino e pesquisa. “Para ampliar a captação de recursos e avançar no processo de tornar a instituição financeiramente sustentável, instituímos o Departamento de Relações Institucionais e criamos um título de capitalização, o Doacap. Os recursos externos são imprescindíveis, principalmente nestes tempos de pandemia quando a situação financeira é agravada pelo aumentos do insumos que utilizamos, sem contar as dificuldades financeiras já existentes antes da Covid-19”, explica Ferraz.