Dermatologistas querem que MPF atue contra atendimentos irregulares

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) quer maior envolvimento do Ministério Público Federal (MPF) no combate a atendimentos irregulares e intervenções estéticas feitas por não especialistas. A entidade protocolou documento em que informa sobre 833 queixas recebidas entre 2017 e 2019.

A expectativa da SBD é que o Ministério Público tome conhecimento da extensão dos problemas, interfira e acione a Justiça. “O MP já trabalha conosco, já acatou algumas denúncias. O órgão tem a função de zelar pela saúde, assim como a vigilância sanitária”, afirmou o presidente da instituição, Sérgio Palma.

De acordo com o médico, quem quer fazer procedimento estético invasivo deve procurar um médico especializado, como prevê a Lei do Ato Médico.

Palma recomenda que as pessoas interessadas em procedimento estético invasivo procurem especialistas no Portal do Médico e no site da SBD. O paciente deve observar o número de registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) e o respectivo Registro de Qualificação de Especialista (RQE), que certifica a residência médica, no caso de dermatologia.