Big Data no apoio nas Políticas de Prevenção a Acidentes de Trânsito

Por Francisco Arce

Os acidentes de trânsito são graves problemas de saúde pública que oneram recursos não só do sistema de saúde que despendem recursos desde o resgate das vítimas, tratamentos que podem incluir intervenções cirúrgicas, internações, como também no sistema previdenciário como no caso de invalidez, mortes, etc. Destaca-se que o atendimento na rede pública de saúde por conta dos acidentes de trânsito gera custos não apenas durante o atendimento emergencial, mas também um acompanhamento prolongado dos acidentados no que diz respeito às sequelas e aos tratamentos prolongados.

O Brasil ocupa o terceiro lugar dentre os países com o maior índice de acidentes de trânsito (WHO, 2018). Estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA aponta que o Brasil perde cerca de R$ 50 bilhões por ano decorrente a custos relacionado a perda de produção das vítimas e também custos hospitalares (IPEA, 2020). No caso do Amazonas, dados da secretaria de Estado de Saúde apontam que entre janeiro e agosto de 2020 foi gasto R$ 1,6 milhão com internações, cirurgias e outros procedimentos, referentes a acidentes de trânsito (SES-AM, 2020).

Relatório do Banco Mundial em parceria com a WRI (2020) aponta que cerca de 1,25 milhão de pessoas morrem nas ruas das cidades, estradas e rodovias a cada ano. No Brasil, mais de 40 mil pessoas morrem todos os anos desta causa, sendo as principais vítimas ciclistas, pedestres e motociclistas (DATASUS, 2017). A Organização das Nações Unidas, diante do problema, destaca que “salvar vidas melhorando a segurança no trânsito é um dos vários objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável” e durante a terceira Conferência Global da ONU sobre Segurança no Trânsito, realizada em Estocolmo, definiu os anos de 2021 a 2030 como a Segunda Década de Ação pela Segurança no Trânsito.

Uma vez que o problema é sistêmico, há a necessidade de propor soluções abrangentes e que incluam medidas baseadas em evidência. Essas medidas podem ser implementadas em todas as etapas, desde antes da ocorrência dos acidentes até a resposta de emergência após as colisões. Neste sentido, os dados oferecem informações necessárias para criação de panorama para tomada de decisões. Bellinger et al . (2017) afirma que a mineração dos dados oferece conhecimentos de conjunto de dados complexos e sua aplicação proporciona importantes introspecções em problemas multidimensionais.

As APIs – Application Programming Interface faz com que programas de computadores se comunicarem através de um conjunto de padrões e rotinas estabelecidas para a utilização de suas funcionalidades por um aplicativo, usando apenas os serviços (JONES, 2016). Eles ajudam a conectar dados, aplicações e processos de negócios com benefícios de dados e análises em tempo real (DELOITTE DEVELOPMENT LLC, 2018;Ca TECHNOLOGIES, 2015)

Diante disto, a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas, através de sua Secretaria Adjunta de Tecnologia da Informação, vem trabalhando na construção de indicadores que permitam aos gestores de saúde pública, informações para construção de ações tanto no pré como nos pós colisão de veículos na região metropolitana de Manaus.

A coleta de dados de Notificações de Acidentes de Trânsito a partir do aplicativo Waze, poderá na auxiliar através de um robô que efetuará uma varredura na Região Metropolitana de Manaus registrando as notificações sinalizadas como acidentes de trânsito além de cruzamentos com os dados oriundos de outras fontes como os dos Hospitais.

O Waze possui uma interface WEB, que será inspecionada e estudada a configuração dos dados que fazem parte do Mapa.

A partir da construção desses dados espera-se ser possível identificar as regiões com maior índice de acidentes, classificando-os em leves e graves; antecipar impactos na rede hospitalar e auxiliar em ações preventivas. Complementar com base de informações da segurança pública por meio de agregação de boletins de ocorrência.

Há a necessidade de liberação do aplicativo pelo fornecedor de dados para coleta (questões éticas).

Espera-se por meio do projeto, oferecer aos formuladores de políticas públicas da área da saúde da área metropolitana de Manaus dados para tomada de decisão baseada em evidência, permitindo ações pré e pós colisões de trânsito, otimizando assim a aplicação dos recursos de Saúde. De maneira mais detalhada, identificar as regiões com maior incidência de acidentes de trânsito na região metropolitana de Manaus. Prever impactos na rede púbica hospitalar. Além de orientar ações de prevenção e desenvolvimento de políticas públicas.

Em caso de sucesso do desenvolvimento da aplicação, ela poderá ser espraiada para outras áreas para além da Saúde como Departamento de Trânsito local e Segurança Pública.


*Francisco Arce é secretário executivo adjunto de Tecnologia da Informação da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas.