Associação Paulista de Medicina combate fraudes com atestados digitais

A Associação Paulista de Medicina (APM) oferece a médicos, hospitais e órgãos públicos, entre outros, um novo conceito de segurança digital para a medicina. Com base em sua experiência de produzir formulários de atestados aos médicos do Estado de São Paulo desde 1950, adota, desde 2012, atestados médicos e de saúde ocupacional.

A inovação beneficia inclusive pacientes, estabelecimentos de saúde, empresas públicas e privadas, pois diminui o risco de os profissionais serem vítimas de fraudadores, além de assegurar que os atestados foram realmente emitidos por médicos e contêm informações verídicas.

Para o diretor de Previdência e Mutualismo da APM, Paulo Tadeu Falanghe, “havia carência deste tipo de iniciativa; que vem preencher uma lacuna por ser um documento inteligente, que ajuda a controlar o uso pelos médicos, clientes e empresas.”

Vale destacar que, entre as infrações mais comuns nos sistemas de saúde de todo o mundo estão a falsificação de recibos de consultas, exames e cirurgias e o superfaturamento de procedimentos hospitalares, sendo as falsificações de atestados médicos muito comuns no Brasil. Frequentemente, há detenções em diversas cidades por conta de atestados médicos falsificados.

Vantagens

Do ponto de vista dos médicos e estabelecimentos de saúde, o atestado digital diminui o risco de profissionais e instituições terem seus nomes e registros associados a falsificações.

Para as empresas, garante segurança quanto à veracidade das informações, o que pode evitar afastamentos desnecessários de funcionários e os consequentes prejuízos.

Em relação aos pacientes, evita contestações sobre o seu estado de saúde e a necessidade de afastamento do trabalho. Também permite a impressão do documento à distância.

Com isso, o atestado digital da APM é solução para um dos problemas mais recorrentes do país: as fraudes. São frequentes no noticiário flagrantes de falsos atestados em papel vendidos no mercado paralelo, supostamente carimbados e assinados, com conteúdo em branco.

A receptividade das versões digitais é muito boa e a expectativa a melhor possível.

“São fáceis de usar, diminuem burocracia e custos. A segurança da tecnologia confere confiabilidade e credibilidade ao produto. Sem falar que já temos o atestado em aplicativo, o que facilita ainda mais a vida do médico”, avalia Falangue.

Como funciona

Os atestados podem ser adquiridos por médicos (pessoa física ou jurídica), clínicas, hospitais e empresas. Há diversos modelos, que inclusive podem ser personalizados com a inserção de marcas das instituições.

Para emiti-los, os profissionais precisam do e-CPF ou e-CNPJ, disponíveis pela APM com desconto aos associados. Cada atestado digital gera uma combinação de números única, que assegura sua autenticidade e impossibilita qualquer alteração posterior das informações ali contidas.

A ferramenta para confirmar a veracidade dos atestados digitais também fica no portal da APM. Ainda é possível imprimi-los para anexar em fichas médicas ou trabalhistas.

“Cada documento possui certificação digital própria. A partir do momento em que o atestado é emitido para o paciente, tudo o que o médico registrou ali é assinado com esta certificação. Posteriormente, o atestado impresso pode ser comparado à versão digital disponível no site”, explica Paulo Falanghe.

Responsabilidade social

Historicamente, os recursos advindos da venda de atestados médicos pela APM, entidade sem fins lucrativos, possibilitam à entidade auxiliar médicos e famílias de médicos em situações de fragilidade, causadas por doenças, lesões ou falecimentos. Com as versões digitais, isso também se aplica. O benefício a dezenas de pessoas está mantido, como ação de responsabilidade social da Associação.