Rede Ímpar adota app para melhorar experiência de pacientes em diálise

Alinhado à era digital-first, o Hospital São Lucas Copacabana, que integra a Rede Ímpar, em parceria com a Fresenius Medical Care, adotou o aplicativo my Companion, um wallet que reúne informações sobre a performance da diálise. Entre as informações estão a eficácia e duração da sessão, monitoramento da pressão arterial, acompanhamento do peso do paciente antes e após a terapia, descrição de toda a medicação prescrita e histórico de resultados de exames. O objetivo é proporcionar menor evasão de tratamentos, fator decisivo para melhora da condição clínica do paciente.

“Sabemos o quanto esse tipo de tratamento é cansativo e envolve esforços do paciente e de seus familiares, além do acompanhamento do médico que o atende. O aplicativo agiliza e facilita esse monitoramento, ao concentrar e permitir que tais informações possam ser acessadas, via celular ou tablet, tanto pelo médico como pelo próprio paciente ou familiar autorizado”, explica Emerson Gasparetto, Chief Medical Officer da Ímpar.

Agilidade e segurança para todas as idades

De acordo com o estudo Saúde Brasil 2018, do Ministério da Saúde, a maior parte dos pacientes em diálise está na faixa etária ente 65 e 74 anos. Pensando nisso, o my Companion foi desenvolvido com interface intuitiva e fácil de usar, para todas as faixas de etárias e níveis de conhecimento tecnológico.

Além da acessibilidade facilitada, o acesso só pode ser feito por meio de um código único e exclusivo para cada paciente, o que garante a segurança e o sigilo dos dados e informações do usuário. “Funciona como um prontuário de bolso que possibilita mais controle do paciente sobre seu tratamento, o que acarreta maior adesão”, avalia Pedro Tulio Rocha, nefrologista e coordenador do Centro de Nefrologia e Diálise do Hospital São Lucas.

Centro de excelência

O Centro de Nefrologia e Diálise, que funciona dentro do Centro de Especialidades do HSLC no Shopping Gávea, é o único no Rio de Janeiro a disponibilizar para todos os pacientes a terapia de hemodiafiltração (HighVolumeHDF®).

“É um tipo de diálise que se assemelha mais a função natural dos rins e possibilita a melhor remoção de toxinas nocivas ao organismo e que não são retiradas de forma completa pelos tratamentos convencionais. Isso reduz os episódios de mal-estar durante e após o tratamento, proporcionando melhor qualidade de vida ao paciente”, ressalta Pedro Tulio Rocha, coordenador do Centro.