Anti-histamínicos mostram eficácia contra a Covid-19 em testes de células

Por Rubens de Fraga Júnior

Três medicamentos anti-histamínicos comuns podem inibir a infecção de células pelo coronavírus que causa o Covid-19, segundo pesquisadores da University of Florida Health.

Suas descobertas, baseadas em testes laboratoriais de células e uma análise detalhada de registros médicos de quase um quarto de milhão de pacientes da Califórnia, foram publicadas na revista Biochemical and Biophysical Research Communications. Os dados podem apoiar o lançamento de um ensaio clínico randomizado e controlado para determinar se os anti-histamínicos podem tratar ou mesmo prevenir Covid-19 em humanos, disseram os pesquisadores.

No início deste ano, Leah Reznikov, Ph.D., professora assistente de ciências fisiológicas na Faculdade de Medicina Veterinária da UF e investigadora principal do estudo, começou a colaborar com David A. Ostrov, Ph.D., um imunologista e professor associado do departamento de patologia, imunologia e medicina laboratorial da Faculdade de Medicina da UF. Eles e outros colegas começaram a identificar drogas aprovadas que podem interferir na maneira como o vírus SARS-CoV-2 se liga às células. O bloqueio dessa conexão essencialmente bloqueia uma porta celular que inibe a transmissão do vírus ao sistema respiratório.

“Descobrimos dados epidemiológicos mostrando que o uso de medicamentos específicos estava associado a uma probabilidade reduzida de teste positivo para SARS-CoV-2, o vírus que causa Covid-19. Descobrimos então que esses medicamentos exibiam atividade antiviral direta contra SARS- CoV-2 no laboratório “, disse Ostrov.

Embora haja uma associação entre os medicamentos e as taxas de infecção, os pesquisadores enfatizaram que há muito mais a ser aprendido e nenhuma causa e efeito foi formalmente estabelecida.

“O fato de essas drogas realmente inibirem o vírus no laboratório não significa necessariamente que o inibirão ativamente nas pessoas – mas podem”, disse Ostrov.

Para estabelecer suas descobertas, os colaboradores se concentraram na enzima conversora de angiotensina-2, ou ACE2, uma proteína “porta de entrada” que o vírus usa para invadir células humanas. Trabalhando com um colega da Universidade da Califórnia em San Francisco, eles analisaram registros médicos de quase um quarto de milhão de pacientes da Califórnia. Os pesquisadores descobriram que pessoas com 61 anos ou mais que usaram certos anti-histamínicos têm menos probabilidade de teste positivo para o vírus SARS-CoV-2 do que aquelas que não tomaram os medicamentos.

Em seguida, os pesquisadores testaram esse grupo de anti-histamínicos quanto à capacidade de inibir o coronavírus em uma combinação de células humanas e de primatas. Três das drogas – hidroxizina, difenidramina e azelastina – mostraram efeitos antivirais diretos e estatisticamente significativos sobre o vírus SARS-CoV-2.

Os medicamentos foram testados em diferentes concentrações para medir o quanto é necessário para inibir o vírus.

Embora as descobertas sejam encorajadoras, Ostrov alerta contra a automedicação com anti-histamínicos como prevenção ou tratamento do Covid-19.

Entre os três medicamentos, constatou-se que a azelastina inibe o vírus SARS-CoV-2 em uma dose menor do que a prescrita como spray nasal. Os outros dois anti-histamínicos exigiam concentrações de drogas mais altas do que os níveis de dosagem atualmente recomendados para atingir a atividade antiviral nas células. Isso não torna a difenidramina uma terapia menos potencial para Covid-19 por enquanto,disse Ostrov. Os ensaios clínicos serão necessários para estabelecer a eficácia dos medicamentos na prevenção, tratamento precoce e como terapia secundária para Covid-19 grave.

Fonte: Leah R. Reznikov et al. Identification of antiviral antihistamines for COVID-19 repurposing, Biochemical and Biophysical Research Communications (2020). DOI: 10.1016/j.bbrc.2020.11.095


*Rubens de Fraga Júnior é Especialista em geriatria e gerontologia. Professor titular da disciplina de gerontologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná.